Consultor Imobiliário

Desequilíbrio. A palavra chave para o arrendamento em Portugal

Desequilíbrio. Esta é a palavra que melhor define aquilo que se está a passar no mercado de arrendamento em Portugal, segundo a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

desajuste entre a oferta e a procura continua a ser uma das características deste segmento e que tenderá acentuar os problemas habitacionais do país. A oferta é escassa e, quando surge, rapidamente desaparece.

“Não é de agora que se registam estes desequilíbrios entre oferta e procura no arrendamento. Desde há muito que a APEMIP tem realçado este fenómeno, que se tem vindo a acentuar, uma vez que a falta de oferta tem incitado ao aumento de preços, sobretudo nas principais cidades, onde os valores de oferta estão longe de estar ao alcance das possibilidades das famílias portuguesas”, defende o presidente da associação, Luís Lima.

Famílias não conseguem comprar nem arrendar casa

E se dúvidas houvesse sobre este cenário, os números vêm confirmá-lo. O stock de casas para arrendar esgota-se em muito pouco tempo. O barómetro da APEMIP relativo ao mês de dezembro revela que quase 75% do stock para arrendamento é escoado em menos de três meses, um cenário que começa a dificultar a vida das famílias.

“Cerca de 50% dos negócios concretizados situavam-se no intervalo de rendas entre os 300 e os 500 euros”, valores que, nas palavras do representante das mediadoras, revelam “o intervalo de preços mais procurado pelas famílias para ativos T1 e T2, tipologias que também reúnem o grosso da procura”. Mas a verdade é que é cada vez mais difícil encontrar casas a estes preços, uma situação que está a levar muitos jovens e famílias a aceitar arrendar por valores que ultrapassam a sua taxa de esforço. “A habitação em Portugal está a caminhar para uma situação perigosa”, garante Luís Lima.

“Estamos a chegar a um ponto em que as famílias se deparam com o fenómeno ‘nem-nem’. Nem conseguem comprar, nem conseguem arrendar, tais são os valores que se apresentam no mercado”

Luís Lima, presidente da APEMIP

“Estamos a chegar a um ponto em que as famílias se deparam com o fenómeno ‘nem-nem’. Nem conseguem comprar, nem conseguem arrendar, tais são os valores que se apresentam no mercado. E esta tendência acentuar-se-á se tivermos em conta as recomendações do Banco de Portugal (BdP) que tornam as condições de acesso ao crédito à habitação ainda mais restritivas”, avisa o responsável, que exige ao Estado maior intervenção, nomeadamente através dos incentivos fiscais aos proprietários.

AL não está na origem do problema

Para Luís Lima, “não adianta apontarmos armas a mercados como o do Alojamento Local (AL) ou ao investimento estrangeiro quando o problema principal está na desadequação do mercado de arrendamento à nossa realidade”.

“Não podemos pedir aos proprietários que façam o papel de garantidores de habitação a preços acessíveis, se não lhes são dadas condições para que façam do arrendamento um negócio rentável. Este segmento é um negócio, e como negócio que é tem de garantir lucro a quem o promove. Se no panorama atual os proprietários não vêm condições no mercado de arrendamento para que lhes compense apostar nele, é natural que dirijam o seus ativos para outro tipo de mercados”, conclui o responsável.

Fonte: Idealista/News

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *